quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Saudades de Sírius








Ao cair da tarde de louvor

Nascem os primeiros raios do infinito

Astros luminosos sustentam o firmamento

Substituindo o Sol, nossa Fonte de Vida


Quando ergo os olhos para eternidade

Transcendo-me para as moradas de meu pai

Que na eternidade as cria sem cessar

Renovando a esperança de suas criaturas de amor


Não há mais corpo

Ao longe deixo minha atual casinha

De uma esfera azul anil, torna-se um cisco no espaço

Dando lugar a mundos incomensuráveis a visão terrestre


Sírius de repleta beleza

Senhora de todas as minhas certezas

Choro mais uma vez em seu encontro

Como o reencontro que um pai tem por seus filhos


Mãe de todos os mundos

Acolhe seu filho humilde a sua luz

Clareia-me o espírito de paz

Dar-me o alento doce de sua vibração


Quanta saudade Deus de misericórdia!

Amores tangíveis vibrando pelo espaço

Como fluidos etéreos emanados pelo espaço

Abastecendo o progresso universal


Nunca a deixarei estrela da vida!

Em seu nome pregarei a sabedoria

Cobrirei vidas esquecidas e encolhidas

Umidificarei os lábios secos da afazia


Amo-te! Sol de todas as grandezas

Contigo eu vivo minha missão edificante

Volto agora ao singelo mundo, fortalecido

Contemplando os primeiros raios de aurora

Jornada de uma vida















O André Luiz, desencarnou

Mas o Luís Salgado,

Ainda está ao meu lado


Nas caminhadas da vida me perco

Mas este meu amigo com muita calma

Clareia as sombras e ilumina minha’alma


Na magnitude Divina

Pude desfrutar nesta vida

De Espírito amigo, com muita sabedoria


Nos véus da ignorância,

Muitas vezes me encontro

E mais uma vez este amigo

Estende as mãos e me levanta


Sempre que a tristeza aparece

Nossas mentes se entrosam

Por telepatia conversamos

E as amarguras extravasam


Nos estudos de Kardec

Dividimos a humildade

Nas ações do dia a dia

Exercitamos a Caridade


E assim o tempo passa

Jogando prata em nossas cabeças

Marcando a alma, com lições de vida

E deixando no corpo, lembranças de longa subida.


Autora: Michele Pozitano


"Este poema foi concebido por minha irmã espiritual Michele Pozitano. Não sei se o espaço é merecedor de tanto amor e carinho a meu respeito. Apesar do poema se relacionar a mim, não podia deixar de exibi-lo. Acredito que o que importa aqui é a demonstração dos sentimentos mais sublimes que podemos ter na vida que é o amor ao próximo. Como divulgador da doutrina, não poderia deixar passar este exemplo belo e cristão. Quero que tomem o texto com exercício de dedicação ao proximo como minha irmã de alma a fez para mim. Façam aos seus entes queridos. Escrevam palavras de otimismo e conforto. Critiquem de forma auxiliadora. Tenho certeza que tornaremos o nosso mundo mais belo e regenerado. "

Nota: André L. Salgado


domingo, 23 de novembro de 2008

Luzes do Alfabeto











A é para AMOR

B nos ensina BRINCAR

C faz a gente CRESCER

D nos aquece a DOÇURA


E traz de volta a EESPERANÇA

F deixa a gente FELIZ

G nos faz ser GENTIL

H propõe Harmonia


I faz a mente ILUMINAR

J nos diz :nunca JULGAR !

K nos desperta: estude kARDEC !

L te ensina ser LIVRE


M afirma:exercite a MEMÓRIA

N sugere agir com NATURALIDADE

O avisa: fuja do ÓCIO

P te explica: a saúde vem com o PERDÃO


Q nos convida a valorizar as QUALIDADES !

R te ensina REZAR

S pratique a SABEDORIA

T o tempo afirma: tenha TOLERÂNCIA !


U sempre seja ÚTIL

V destaque suas VIRTUDES

X o “X” é difícil,mas podemos evitar atitudes XUCRAS

Z te aconselha: age com ZELO !


Autoria e contribuição de Michelle Pozitano, querida irmã de jornada.

21/11/08

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Pastores da Imortalidade











Nas trevas da amargura e solidão

O desconsolo do âmago assola a vida

Beirando aos aflitos de amor

Impera o abismo da intolerância e discórdia


Corações despedaçados derramam o sangue do orgulho

Mentes perturbadas e desvanecidas escurecem as vistas

Vales imensos de melancolia e ódio

Empalidece rostos de desespero e temor


Da lagarta à mariposa aguardamos o despertar

Verdadeiros mensageiros trabalham incessantemente

Resignados ao amor de cristo

Vivem na eternidade auxiliando os irmãos aflitos


Deus de infinita sabedoria e amor

Dignifica-nos a tarefa diária do exercício cristão

Lecionada de forma ímpar e incondicional

Aos rebanhos do cosmo infinito


Trabalhemos! Preenchamos nossas almas de ternura.

Despertemos as almas inóspitas para verdadeira vida

Dediquemos nossos amores aos irmãos aflitos

Não esmorecemos diante ao caos que perece nossas vistas


Confiemos em nosso pai misericordioso

Somos irmão de jornada terrena

Não atingiremos ao pai se não aprendermos a amar uns aos outros

Não haverá mais ovelhas desgarradas


Caminhemos unidos com certeza de esperança

Que juntos marcharemos a outros mundos

Selando o compromisso de dignificar nossa casa

Decepando integralmente as trevas da ignorância

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Amor Divino















Idéias brilhantes irradiam pelos astros

Em mundos regeneradores vivem a esperança

Espíritos consoladores norteiam os rumos das almas

Leis imutáveis regem a perfeição


Terra nossa querida casa

Um dia terei de deixá-la

Com amor a levarei comigo

Pelo cosmo infinito


Outros astros contemplaram as glórias

A beleza e a pureza serão estados inerentes da espiritualidade

Mas não estarei sozinho, meus amigos

Comigo levarei o amor que tenho por vós, irmãos


Lá reencontrarei meus entes amados

Da sinestesia musical esperarei enxergando melodias

Até que toda família se reúna novamente em júbilos

Marchando em conjunto ao progresso infinito

Luz Cristã














Entre os aflitos da Humanidade

Encontramos o zelo necessário em suas tuas palavras

O conforto primordial soa como melodia

Guiando-nos ao amor , caridade e sabedoria


Em terras de almíscares e jasmins

Nasceu a eterna luz da espiritualidade

De pinheiros e carvalhos humanizou o trabalho

Com palavras e gestos divinificou o orbe terrestre


Tuas palavras acenderam a chama

O calor e a claridade ainda ecoam por toda parte

Lágrimas de esperança brotam na pátria espiritual

Que aceitam a caminhada rediviva de cristo


Tomemos como exemplo o cristianismo primitivo

Que se fez presente nas primordiais eras da humanidade

Semeando contigo o verdadeiro sentido da vida

A exemplo dos mártires do ideal cristão

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Carta aos Pombinhos











Meus caros irmãos de jornada




Felicito-os nesta noite iluminada em que temos a gratidão de participar de mais um momento de amor e fraternidade, no qual temos a oportunidade de praticar o exercício do amor ao próximo, emitindo os pensamentos mais sublimes ao nosso iluminado casal.


È com grande orgulho que escrevo essas palavras aos nossos queridos pombinhos com tom de carinho e amizade, dizendo a vocês que o amor é o sentimento maior. Ele representa os verdadeiros valores existentes na vida no qual nesta noite, sigo vocês como exemplo de união, respeito e vontade de querer se doar ao próximo.


Carlos, meu queridíssimo veterano e amigo. Não há nada melhor que poder compartilhar com você a estrada da vida. Sua amizade é consoladora, idealizadora e inspiradora. Outro dia mesmo eu disse a minha mãe. Quero ser igual a você quando crescer!


Apesar de o mundo desacreditar da esperança, esquecer dos bons sentimentos, fazer apologia a violência e cultivar a miséria, sua força e garra são marcas evidentes em seu caráter que como indivíduo observador que sou, vejo através de você esperança em um mundo melhor e mais digno. É meu amigo! Não sei se mereço tudo isso, mas se Deus permitiu que fôssemos amigos, é porque com certeza ele quer o melhor pra mim.


Fico feliz que ao seu lado estará uma mulher maravilhosa que tive a oportunidade de conhecê-la e me tornar amigo logo de cara. Seu otimismo e vontade de querer que as coisas aconteçam, denotam seu amor aos seus ideais, agarrando-os com determinação e disciplina. Débora, Fico grato pelo seu entusiasmo e por me ensinar que os nossos sonhos podem ser concretizados e que quando queremos algo com todas as nossas forças, elas se realizam. Ohhh!! Vou te contar uma coisa... eu sei que homem não é muito bom em demonstrar sentimentos em público, mas esse aí quando fala de você parece que vai se derreter todo. Nossa!! Olha só, ta “gamadão”, eu pensava!


Carlos, vê se cuida bem dela porque você realmente encontrou a morena que estava procurando. Débora, não se zangue se ele quiser assistir o jogo do corinthians, afinal o futebolzinho faz parte né!


As oportunidades que a vida nos oferece são efêmeras, e se não tivermos abertos aos valores que realmente interessam, perderemos muitas coisas em nossa vida. Libere mesmo! O coração está aí pra bater forte e exemplificar o amor. Hoje, olhando pra vocês, sinto-me orgulhoso e mais fortalecido de acreditar que amar é não ter medo de encarar face a face as dificuldades da vida, é saber perdoar nossas falhas, é se resignar ao próximo, e trabalhar para o progresso mútuo.


Sendo assim, despeço de vocês deixando meu recado cordial e oportuno. Que essas palavras sejam o meu presente intangível que só as suas almas podem abrir e apreciar. Podem ter certeza, nelas estão os mais sinceros votos de amor e carinho que com muito orgulho entrego a vocês agora na condição de Senhor e senhora Bonacim.


Muito obrigado

sábado, 11 de outubro de 2008

Hoje é outro dia...









Hoje é outro dia

Desperto na esperança de novos tempos

Como a fênix, sinto-me ressurgindo

A caminhar pelos novos desafios da vida


Busco nas palavras meu conforto

Na escrita minha válvula de escape

Mas meu coração permanece em paz

Porque se doar nunca é demais


Plantar os valores que acreditamos

É certeza de colheita vindoura

Ontem pode ter descido uma tempestade

Mas Hoje, o clarão do sol traz nova esperança


Nunca deixarei de olhar nos olhos

Manter-me-ei sempre erguido para os desafios

Amar alguém não é pecado

Pecado é não amar quem te faz bem


Abra o coração que nunca mais temerás

Porque quem ama não tem medo

Quem ama sabe esperar a hora certa

E eu estarei aqui quando chegar


Hoje é outro dia...

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Estamos em Festa




E a cidade está em festa. “Cervejadas”, carreatas, shows e muita gente pulando de alegria. Será copa do mundo? Do jeito que está a seleção eu acredito que não. O Dunga está na corda bamba. (risos). Ah! É verdade. Mais uma vez o compromisso (obrigação) de apertarmos um botãozinho, para decidirmos o futuro, foi acionado.


Mas eu gostaria de entender o porquê de tanta exaltação assim. Estamos comemorando o que? É engraçado como funciona a mente do povo brasileiro. Todos sabem que a história do país tem em sua origem a exploração de seus recursos naturais. Crescemos escutando que somos um povo sofrido e trabalhador. A miséria sempre fez presente em forma de educação, saúde, segurança, trabalho e cultura. É de se espantar que o Brasil viva nessa realidade absurda com tantas terras agricultáveis, diversidades biológicas, águas, e recentemente petróleo em abundância. Agora eu me pergunto: Por que ninguém faz festa em final de mandato? Ninguém sabe como será daqui pra frente! Ou será que alguém tem uma bola de cristal?


Mas de uma coisa o povo brasileiro já demonstrou muito bem. Ninguém quer perder. Já somos tão agredidos pelo valor do salário mínimo, desemprego, falta de habitação, altos impostos, etc. Mas quem está preocupado com isso. Eu quero é ganhar e “bebemorar”, afinal, somos o país do penta.


Somos revoltados com a corrupção dos políticos, mas será que se acharmos uma carteira recheada de grana a devolveremos? Colocar a culpa neles é fácil, mas quero ver quem realmente faz a sua parte nessa nação que, aos pouco, vejo perder sua identidade em demasia. É triste pensar que o “jeitinho brasileiro” ainda predomina nas veias dos brasileiros. É mais gostoso né! Rola a maior adrenalina! Afinal, temos que comemorar! Não podemos desanimar! É festa! O tempo é curto e precisamos aproveitar a vida.


As eleições acabaram. Daqui para frente serão mais quatro anos para escrever a história santa-rosense. Os candidatos em 1° de janeiro de 2009 estarão todos para formalizar seus compromissos com o nosso município. Torço para que o povo realmente esteja certo. Que realmente votaram pensando nos melhores representantes que poderíamos ter neste momento. Que o “jeitinho brasileiro” tenha sido eliminado. Que não tenham votado em causa própria. Que não tenham votado porque é parente, bonzinho ou “coitadinho”. Enfim, que os representantes tenham a total consciência de seus deveres para com a população e conseqüentemente a constituição, afim de votarem leias sábias para o progresso de nossa querida Santa Rosa de Viterbo.


Espero que essa festa, que tomaram parte, não seja em vão, e que possa durar até o final de 2012. Lembrem-se, foram feitos muitos compromissos à população, e o dever é cobrar cada proposta que os próprios candidatos assumiram publicamente por meios tácitos e escritos. Rogarei todos os dias, para que vocês tenham realmente acertado seus votos, e que em vez de zumbidos, reine a paz de suas consciências...


André Luís Salgado

Cidadão Santa-rosense

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Divina Luz


No caminhar da alvorada

Vejo o lume das estrelas se apagando

Nascendo do lindo horizonte

A luz divina do sol de primavera


No limiar da juventude

Sonho com a vida futura

No céu vejo o lindo firmamento

De negro para o azul da mansuetude


Hoje na forma adulta da matéria

Vejo-me a caminhar nos trilhos da obscuridade

Mas vigilante, procuro acender a luz divina

Para iluminar o caminho da espiritualidade


Com a brandura de suas palavras

Rogo a paciência, o carinho e o perdão

Abro a ti a porta da sabedoria e do amor

Meu senhor! Amo- te como seu humilde servo


Os ventos uivam no silencio da noite

Mas não sinto mais o frio da madrugada

Seu cobertor de misericórdia me aquece

Dando-me o manto consolador da vida


Hoje eu agradeço a ti

Aprendi contigo o que é o amor

A caridade corre o sangue de minha alma

O perdão, exercício diário de dedicação


Faça-me de mim seu instrumento de ação

Deixando-te aberto para exemplificar sua lição

Dos mais ditosos mundos do porvir

As eternas lições da imortalidade


Não há mais estrelas no céu

A claridade providencial anuncia o dia

O amor em sua natureza incondicional

Legisla pelo progresso da humanidade

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Felicidade se compra com cartão de crédito!!











Vejo uma multidão de pessoas passando por todos os lados. Brancas, negras, mulatas, ruivas. Tudo que uma sociedade miscigenada pode conter em qualquer lugar público. Perfumes de todos os tipos circundam o ambiente. Gente linda, bem vestida e com largos sorrisos na cara, exceto de alguns que ainda lutam para proteger seus cartões de crédito. Afinal vivemos numa sociedade consumista.


De um lado pessoas na expectativa de ver um bom filme (está passando o filme do Bezerra de Menezes no qual ainda irei assistir) do outro lado uma multidão em filas intermináveis loucas pra degustar um cardápio que nunca irão fazer igual em suas casas. Toneladas de Mc Donalds,


Habbibs, Salgadinho não sei de quem, comidas orientais, como se realmente nossos amiguinhos de lá comecem esse tipo de comida. Mas quem quer saber não é? O importante é estar lá pra saborear o exótico prato e sair com cara de satisfeito. Pessoas sentadas em banquinhos desconfortáveis, que se bobear, “desce a canela” na perna dela. Mas é shopping não? Ali é um lugar de felicidade. Tudo foi pensado na nossa felicidade.


Lojas lindas com variados tipos de tecidos, perfumes (no qual eu comprei um), sapatos, cafés, cervejarias, acessórios de todos os tipos. Nunca vi um lugar de tanta felicidade assim. É quase um orgasmo ver as pessoas fazendo compras. Desde pequenos já estão lá várias criancinhas com seus paizinhos. Pai eu quero isto! Pai eu quero aquilo! Quando não é o pai é a mãe que fica com dó e comprazem os desejos daqueles pequeninos aprendizes da felicidade.


Quanta harmonia num lugar só. Se existe o paraíso eu tenho certeza que deve ser um shopping bem grande com harpas em cada coqueiro para nos deleitarmos. É sério! Não há melhor lugar do mundo pra que uma família se reúna e façam algo junto. Lá é totalmente fora das estatísticas. Todo mundo diz que as famílias estão desestruturadas, que as crianças estão rebeldes e usando drogas, que as pessoas estão cada vez mais infelizes e estressadas. Mas lá não. Reparem bem. Lá as pessoas namoram, os pais carregam seus filhos, o esposo abraça a esposa, os filhos levam seus pais para passear e vice-versa. Só pode ser o paraíso.


Mas apesar de toda essa felicidade, eu não estava bem comigo mesmo. Algo estava faltando. Sentia o coração apertado, sozinho e sem rumo. Quando vi, dei conta que estava sozinho sentado numa mesa vendo uma faxineira limpar as sujeiras deixadas pelos seres felizes. Quando me vi no mar das multidões, sentia-me um ser a parte daquele local naquele momento. Olhei pra dentro de mim e questionei. Será que eu sou infeliz? Estava em volta de tudo que é mais almejado pela humanidade e ainda não estava feliz de estar ali. Quanta ilusão. Aí eu percebi que a felicidade aqui é um estado transitório. Só somos felizes se temos alguma coisa. Por que que em vez de sermos afetuosos precisamos comprar para alguém sorrir? Porque que precisamos beber para se reunir com amigos em vez de só darmos nossa atenção e sorrisos sinceros? Por que que para dar carinho precisamos presentear com objetos? Por que aceitamos as chantagens emocionais de filhos e esposos em troca de presentes, em vez de dar amor a eles? Quer dizer que transferimos nossa capacidade de demonstração de amor em objetos sem vida? Será que é tão ruim dar o próprio amor ao ente querido ou será que a humanidade dorme para os verdadeiros valores da vida?


Estamos longe de entender o sentido de felicidade. Nossos valores permanecem rastejantes pelos pântanos da vida sem que ao menos buscássemos os primeiros sinais de águas limpas. Compraz-nos viver na imundice das ilusões terrenas almejando o ter em vez de ser. Quantas máscaras! Quantos sorrisos de desespero! Enquanto não acordarmos para a verdadeira vida, presenteando nosso próximo com vários presentes da alma, continuará bebendo o suco amargo de nossa medíocre existência.


Realmente eu não poderia estar feliz. A única coisa que gostaria de sentir naquele momento é o sorriso, o abraço e o afeto de alguém que estou aprendendo a amar e que nada que estava ali poderia me fazer melhor, pois não seria real para os verdadeiros valores que homens devem se agarrar ,mas sim, os valores do coração e da dedicação ao próximo .

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Capítulo 1 – Primeiras elucidações


Bolhas, carambolas e apitos. Risos de humores fartos contagiam a praça verdejante. Águas cristalinas estão a centro com banquinhos de azul anil delineando os olhos daquele imenso parque. Figuras de várias caricaturas se exibem por lá. Crianças com balões, meninas de vestidinhos com laços floreando a paisagem, algodão doce, pipoca, pipas, cachorrinhos e cachorrões, pais, mães, babás...


Olha só aquela árvore. É um ipê. Ipês são lindos nessa época do ano. Tem amarelos, rosas... Mas esse é branco. Os brancos são lindos, mas com o fundo cinza daquelas rochas que sustentam o firmamento do parque fica mais belo ainda. Aquele deve ser o bem-te-vi. Eita passarinho danado sô! Canta que é uma beleza!


Aquela casa no alto da montanha pertenceu ao senhor Túlio de Souza Pereira Gomes de Sá. Dizem que ele que mandava nessas bandas. Ta vendo aquela caneleta ali? É lá que o povo dele pegava a água e levava para as caixas que ficavam em cima daquele pico. Dizem que era um povo sofrido, mas feliz. Bom, como eu iniciei essa prosa, vou continuar a falar do senhorzinho.


O patrão era bom demais. Tinha amor pelos empregados. Ele sempre dizia que sem eles, ele não seria nada. Sabe-se que ele viveu na época da escravidão. A maioria dos comerciantes e senhores de terra na época não gostavam muito dele, mas o respeitava pelo homem bom que era. Acontece que Senhorzinho Túlio era um homem que não acreditava na escravidão. Todos eram filhos de Deus sem distinção e raça. Mas os coronéis daquela época não aceitavam sua conduta porque volte e meia os famigerados de outras terras se rebelavam ou fugiam pedindo ajuda ao senhorzinho Túlio. Mas ele era um homem sensato. Respeitava os ideais da sociedade e infelizmente para não acontecer uma desgraça maior em suas bandas e a fim de proteger seus empregados e família, o recusava. Ele dizia que seria melhor salvar mil do que deixar a mercê de coronéis e mercenários que só queriam ganhar o seu. Ele fazia o que podia. Era um homem que conhecia seu limite e amava muito a família para coloca-los em risco. Mas em seu território ele que ditava e regia as regras.


Menina! Desce daí senão você vai caí (eheheh)! Essas crianças de hoje. Parece que não param um segundo.


Estava esquecendo. Creio eu que fui muito mal-educado e não dizer o nome desse lugar maravilhoso. O nome se deu aos primeiros portugueses que se instalaram nessa região. Quando o senhor José Gomes de Sá, avô do senhorzinho Túlio, chegou por essas bandas, dizem que ele teve uma visão. Parece que ficou fora de si por alguns minutos. Quando retornou a si ele gritava:


- Seara do Sol! Seara do Sol!


Bom! Assim nasceu o nome desse lindo parque verdejante. Mas não se preocupem, pois logo voltarei para contar sobre os primórdios desse lugar e o que aconteceu com o Vô Zé de Sá (chamado carinhosamente pelos familiares) no dia em que teve a visão.


Agora vou caminhar um pouco por aqueles lados. Recordações é que não faltam sobre essas terras...

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Mulher da Babilônia











Estrela das mil e uma noites

Glorifica o deserto de minha alma

Regozija-me sua plenitude de amor

Estendendo-me o véu do seu coração


Deusa de paraíso babilônico

Deixe exalar sândalos de seu olhar

Penetrando em meu espírito aberto

Os mais sublimes júbilos e cânticos de louvor


Mulher de olhos amendoados

Dulcifica o âmago do meu ser

Traz a força das águas do Nilo

A abundância em meu espírito


Menina de Allah que tanto mimo

Perfuma-me de almíscares e jasmins

Seja como a Flor de Lótus no deserto

Que sobrevivem as tempestades sílicas da vida


Faça de sua vida uma eterna melodia de amor

Que a trilha sonora de uma noite

Percorra os caminhos áridos da vida

Apagando os rastros maledicentes do passado


Lágrimas sinceras de dor

Que despencam Muluya abaixo

Sublimam com meu beijo de amor

Na esperança de uma nova era


Estrela das mil e uma noites...


André L. Salgado

Autor


sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O sorriso de Marina

Menina de todos os sorrisos

Sorrisos de sorrisos fartos

Sorrisos de uma boa piada

Até de cara feia!


Menina de olhos verdes

Verdes doces como algodão doce

Que bem lá no fundinho

Traz a esperança de um lindo dia


Menina linda de morrer

Que faz de um velho ou novo

Morrer de felicidade a cada dia que te vê


Menina coringa

Que hoje dorme uma garotinha

E amanhã despertará uma linda sinfonia de mulher




André L. Salgado

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

A mais bela de todas as artes

















Como é a vida. Realmente os anos passam repidamente. Lembro-me ainda menino com uma flautinha daquelas compradas em mercadinhos a preços módicos. Lá vou eu com meu primeiro incentivador musical, meu pai, a me levar para as primeiras notas da minha vida.

Era 1990. Lembro-me como se fosse hoje a primeira vez que entrei em contato com a música ao vivo. Nosso querido maestro Maurílio de Oliveira ensinando divisões rítmicas ao Sr. José (Zezé) na conhecida sala de piano. Naquele instante ainda não se dava conta da obra sinfônica que eu estava prestes a viver minha vida.


Nossa! Quem diria que aprenderia a arte musical em uma antiga estação de trem onde mercadorias de várias espécies abasteciam a nossa querida família santa-rosense. Sim! Lá soaram as minhas primeiras notas ainda trêmulas e indecisas. Uma nova linguagem estava sendo apresentada. Mínimas, semínimas, e semibreves (é aquela gordinha) foram apresentadas junto com compassos simples representados com melodias singelas e preparatórias.


Enquanto escrevo, as lembranças surgem como flashs instantâneos. Recitais, espetáculos, concursos, protestos, amores platônicos e não platônicos. Acompanhei tudo isso durante meus 18 anos de música santa-rosense. Muitos valores de minha vida agradecem a esses anos de convivência. Essa dedicação me mostrou os verdadeiros valores da responsabilidade social por meio da cidadania, da conduta ao próximo, do amor a arte e do respeito à família sinfônica no qual muito já se fizeram parte, outros continuam e muitos viram preencher durante a longa trajetória dessa maravilhosa sinfônica santa-rosense.


Realmente a saudade aperta. Mas meu coração permanece emanando acordes de ternura por essa grande família sinfônica. Não é fácil, mas a alegria de ver um trabalho maravilhoso como este é algo que edifica qualquer pessoa de sentimentos nobres e que apreciam os verdadeiros valores que a humanidade precisa. Nosso estimado amigo e amante da música Arthur da Távola que nos deixou brevemente sempre dizia que a música é vida interior e com ela ninguém padecerá de solidão. Fico feliz em saber que apesar das enumeras problemáticas que o mundo enfrenta ainda existam lugares que por meio da música repassa os valores mais divinos da sociedade. A arte expressada pela música é vida pulsante em nossa querida cidade. Devemos cuidar dela como se fosse nossa.


Agradeço a todos e em especial ao nosso saudoso Maestro Maurílio que iniciou esse exemplar trabalho com devoção, amor e dedicação. Depois de anos o mínimo que poderia deixar são meus votos de gratidão e amor a essa Banda ilustre. Dificuldades são muitas, mas tenho certeza que a tolerância, a amizade, o companheirismo possa reinar sempre em nossa querida estação. Desculpe não poder ter mais adjetivos ou palavras que possam demonstrar esse belo trabalho, pois tenho minhas limitações. Mas deixo aqui minha última frase de profunda sinceridade e grande estima a essa iluminada família sinfônica:


Façam dessa banda uma sinfonia sem fim deixando sempre aberta para novas harmonias, trazendo a nossa Santa Rosa o desejo de vislumbrar a vida sem nunca queixar-se de solidão.


André Luís Salgado

Autor

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Vida e Luz











Nas circunstancias atuais da vida
Onde a dor impera o amor
Cega e carente de louvor
A humanidade sangra como ferida


Perambulando pelas estradas vibrantes
O sol mostra sua face brilhante e forte
Vemos rostos refletindo a morte
Enraizados em trevas asfixiantes


Mundo de antagonismos marcantes
De pessoas esquecidas pelo tempo
Venho trazer notícias edificantes


Na Terra não haverá mais dor
Faces mórbidas refletirão a Luz
E com fervor reinará o amor


Autor: André Luís Salgado

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

"Casinha"



Dias e noites nos dá o tempo de cada dia
Trevas e luz norteiam o espetáculo da vida
Casinha minha
Que me dá oportunidade de crescer a cada dia

Casa de memórias esquecidas
Memórias aflitas suplicando a vida
Casinha minha casinha
Que me dá o pão de cada dia

Nesse mar azul anil que resplandece o firmamento
Vigiado por estrelas mil
Casinha minha casinha linda
Agradeço a Deus a morada minha

E com um jogar de palavras
Identifico com muito amor e fervor
Que com orgulho a denomino
Terra






Autor
André L. Salgado



quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O homem nasceu para voar e não para andar

Autor: André Luís Salgado

Pode ser estranha essa frase. A maioria das pessoas que estão lendo isso devem estar questionando minha sanidade mental. Eu acho é bom, pois pode até pode ser que esteja maluco mesmo! Mas como estou feliz em pensar dessa forma, acredito que na minha concepção de verdade eu estou certíssimo e são...

Olha!!! Como a lua está linda!!!! É verdade, olhem pra cima! Que espetáculo da natureza refletindo sua luz sobre minha cabeça! Meu Deus!!! Será que ninguém está vendo isso??? ... São Jorge??? Não...isso é crendice popular...

Estou mudando de parágrafo porque a minha capacidade de falar comigo mesmo está me surpreendendo. Talvez autodiálogos, se posso denominar dessa forma, podem soar estranhos, mas são comuns em qualquer pessoa. Admitam vai!!! Vocês também falam sozinhos!!!

Nesse momento eu estava conversando com uma grande amiga e comecei a refletir sobre a saudade. Estou com saudade de sentir saudade. Talvez o final de um filme com final nostálgico foi o grande causador desse texto e de tomar o tempo de vocês , mas vamos falar da saudade. Não existe saudade maior do que os acordes pronunciados pelo piano deste filme. Críticos a parte, realmente acredito que se existe uma música pra matar saudade é a música dos créditos finais.

Bom, estou enrolando vocês, não?!!! É uma característica minha falar bastante.

Saudade de saudade. É bom saber que ela é tão certa quanto a morte. Deus realmente é nosso pai de misericordioso nos possibilitando sempre o reencontro com pessoas amadas e bem quistas. Refletindo sobre a saudade, ela é um atributo do amor. A saudade pode equiparar-se como a ampulheta. No momento da “separação” os grãos de areia começam a se deslocar de forma uniforme como se respeitassem cada espaço utilizado para ultrapassar o pequeno orifício. Até que ao passar do tempo, todos estarão reunidos novamente em outro espaço de tempo. O tempo é nosso aliado, pois trás a esperança do reencontro, levando-nos a outros patamares de existência e de experiências. A saudade é também a harmonia de uma sinfonia bem executada nos arrebatando a um final grandioso e intenso.

Sim. Ela nos faz chorar. Coloca-nos num pranto arrebatador. Nós rimos e choramos ao mesmo tempo. Uma situação de desespero e conforto. De tristeza e alegria. De euforia e tranqüilidade. Sentimentos antagônicos com um grau de sublimidade invejável. Não existe reconhecimento maior de amor na humanidade que ter a possibilidade de estar perto de quem amamos. Eu imagino isso com a expressão maior do nosso compromisso com o próximo. É o momento de maior manifestação de energias benéficas emanadas por meio de fluido estéreos que alimentam o corpo e consolam a alma.

Que saudade de sentir saudade...

A saudade é sentimento de integração total com a humanidade. Ela traz o verdadeiro sentido de nossa existência que é o compromisso com o próximo. Compromisso esse que nos dá a esperança de agradecer, de perdoar e acima e tudo, amar incondicionalmente.

O homem foi feito pra voar e não para andar. Sim, é isso mesmo!!!! Os verdadeiros sentimentos você só encontra quando olha para o alto. A Lua está lá pra nos dar a oportunidade de nos elevar ao alto. E como num momento de introspecção ela reflete todo o sentimento que o homem guarda dentro de si e retira pra fora a esperança, a ternura, o amor e a vida interior que estavam trancados por meio de nossa visão limitada de Deus.

Não tenham vergonha de demonstrar os sentimentos nobres da vida, pois somente os homens que voam compreendem o caminho da verdade.



Eu estou sentindo saudade...

Blogger news

About

Loading...

Blogroll

Pesquisar este blog

Blogger templates